Poema – Luz

Colho esta luz solar à minha volta,
no meu prisma e disperso e recomponho:
rumor de sete cores, silêncio branco.

Como flechas disparadas do seu arco,
do violeta ao vermelho percorremos
o inteiro espaço que aberto no suspiro
se remata convulso em grito rouco.

Depois todo o rumor se reconverte
tornam as cores ao prisma que define
à luz solar de ti ao silêncio.

José Saramago

Esta entrada foi publicada em Poemas, Som e Luz com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s